FOLHA DO CENTRO - 23 ANOS DE EXISTÊNCIA Edição N° 257 - Fevereiro de 2018.
COLUNAS
NOTICIAS
FOTOS
SERVIÇOS
PREVISÃO DO TEMPO

Moradores e lideranças do Centro pedem Lapa Presente durante o dia

A Operação Lapa Presente completou quatro anos de existência e atuação. Os números oficiais remetem o Programa a uma das mais bem sucedidas ações de Segurança Pública já implantados na cidade. Os roubos a pedestres, por exemplo, foram reduzidos em 70% na região do Rio Antigo, conforme dados do governo. Em virtude do êxito alcançado, moradores e lideranças do Centro se reuniram para postular o extensão do Lapa Presente durante o período do dia. Atualmente, os agentes patrulham as ruas até às 6h30 da manhã.
O Lapa Presente foi o primeiro programa da Operação Segurança Presente, o que acabou inspirando a ampliação para outros bairros da cidade como Lagoa, Méier, Centro e Aterro do Flamengo. O reforço no policiamento inibiu consideravelmente a criminalidade em todas as regiões em que atua, conforme números divulgados.
O Presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro, Márcio Ayer é uma das lideranças que apoiam a iniciativa. “O projeto voltado para a área de segurança tem cumprido um papel muito importante. Eu sou a favor que o programa seja implementado também durante o dia. No horário da manhã e à tarde, a gente sabe que temos problemas de segurança aqui nessa região e também aqui nessa área da Cruz Vermelha. Já tivemos problemas no Sindicato na época da nossa eleição, e graças a equipe do Lapa Presente, juntamente com a inteligência da polícia tudo ficou resolvido prontamente, da melhor forma possível. O trabalho do Lapa Presente foi e é extremamente eficiente”, observa o Presidente do Sindicato.
A Fecomércio, patrocinadora do Programa, anunciou recentemente não saber se terá recursos para renovar os contratos. Logo após o anúncio, moradores das áreas beneficiadas se reuniram para pedir a manutenção do Programa através das redes sociais e reivindicações publicadas pela imprensa. O contrato em vigor está renovado até 2019.
O Presidente da Associação de Moradores da Cruz Vermelha e diretor do Jornal Folha do Centro, Carlos Augusto da Cidade, avalia que o Programa deve ser estendido com uma base fixada na Praça da Cruz Vermelha. “O Lapa Presente trouxe mais tranquilidade para os moradores e frequentadores da Lapa. Os números refletem a eficiência das ações. A Operação conquistou o respeito e a confiança dos moradores e de quem frequenta a Lapa. As mudanças são bastante perceptíveis e o Programa é um forte aliado da Segurança Pública, não apenas no combate a criminalidade, como também no ordenamento urbano. Acredito também que o Lapa Presente se for estendido durante o dia até a Praça Cruz Vermelha, poderá contribuir muito com o ordenamento e mudar a atual conjuntura da Praça. Nossa ação, além de pedir a ampliação do Programa é também uma forma de enaltecer o excelente trabalho, já que todos queremos a continuidade ”, declara Carlos Augusto.
Sobre a situação da Praça da Cruz Vermelha, o coordenador da operação Lapa Presente, Major Laureano, disse à Folha do Centro que o problema ali vai além do policiamento. “A Cruz Vermelha tem um grave problema que é o morador de rua. Nós não podemos retirar o morador, única e exclusivamente porque ele está ali na rua. É um problema social que realmente envolve a Prefeitura. Quando existe uma fundada suspeita de que algum morador de rua possa estar armado, seja com uma faca, ou até mesmo com uma arma de fogo, como já aconteceu, é papel nosso sim atuar. A operação Lapa Presente intensificou o patrulhamento e estendeu até a Praça da Cruz Vermelha à noite, e gradativamente vai tentando reduzir essa sensação de insegurança que ainda perdura por lá”, disse o Major.
Atualmente são 123 agentes que patrulham a região com 24 bicicletas, 11 viaturas e são equipados com rádios de comunicação. A Presidente do Conselho Comunitário de Segurança Pública, Maria João Gaio julga imprescindível a ampliação das ações. “O Estado e o Município do Rio de Janeiro, nós como cidadãos, precisamos de todos os agentes de Segurança Pública e isso inclui a Polícia Militar, Polícia Civil, Guarda Municipal e também o Projeto Segurança Presente. A ação de hoje aqui na Cruz Vermelha, foi uma idéia que surgiu em uma reunião do Conselho Comunitário. A praça precisa voltar para a população do Centro e também atender a uma parcela de pacientes que veem ao INCA e utilizam a praça pra repousar, para descansar, antes de voltar aos seus lares. Nós sabemos que o INCA recebe pacientes de todos os municípios do Rio de Janeiro. Mas na situação em que a praça está, infelizmente, não tem condições. A Guarda Municipal e Comlurb realmente fazem sim ações em conjunto aqui, mas é um trabalho de enxugar gelo, então eu acho que seria muito interessante uma extensão do Lapa Presente aqui para a Praça, para que eles possam atuar durante o dia também e inibir essas situações que inibem o próprio morador de frequentar a Praça.
O advogado Jurandir Albuquerque é uma das lideranças do Bairro e acredita que a sociedade deve se unir para pedir a atuação durante o dia. “O Lapa Presente tem se mostrado muito benéfico. Trouxe mais segurança para a Lapa. Hoje as pessoas circulam com mais tranquilidade pelo bairro. A Operação é muito eficiente e se for implantado durante o dia, vai trazer um outro cenário para a região”, opina Jurandir.
Editor do Jornal Capital Cultural, Virgílio de Souza, considera que o problema de segurança na Lapa supera o policiamento ostensivo. “Eu acho que segurança é um problema muito sério. Quando o Lapa Presente vai embora às 6h00 da manhã fica muita confusão. Na verdade a Lapa deveria ter uma legislação específica, em razão das contradições do bairro. É um bairro meio comercial, meio residencial que virou um espaço cultural, e onde as casas noturnas funcionam em plena atividade. É um bairro muito frequentado e que recebe muitos turistas. O Lapa Presente é muito importante, mas há também um problema social muito grande. O Lapa Presente, por exemplo, não pode fazer nada em relação à população de rua e impedir cadeiras na calçada. Muita das demandas de segurança são de responsabilidade da Prefeitura. Se a administração municipal fizesse a parte dela, ela estaria colaborando muito com a segurança. Eu sou totalmente favorável, mas nem tudo é a questão do policiamento, eu acho que o ordenamento urbano também deve ser considerado quando se fala em segurança pública”, expressa Virgílio.
. Daniel Borges Romário é morador atuante do Centro da cidade há 15 anos e considera imprescindível o trabalha do Segurança Presente. “Os moradores estão perdendo espaço no bairro e a comunidade deve estar mais presente e mais participativa porque é um direito nosso. Não só os moradores, mas o comércio também perde e as crianças também não podem mais frequentar a praça. O Lapa Presente é de fundamental importância para conseguirmos retomar o espaço público do nosso bairro. Se o Segurança Presente chegar até aqui, a gente acaba conseguindo retomar a área de laser para o nosso bairro. A gente precisa ter a sensação de que o Estado está presente aqui e que a gente possa ter mais tranquilidade”, observa Romário.
Além do policiamento, a ação já prendeu em flagrante 5.473 pessoas, sendo 547 por roubo e furto. Foram capturados 672 foragidos da justiça, além de 37 mil acolhimentos moradores em situação de rua. A população pode colaborar com a Operação Lapa Presente, através de denúncias pelo Disque-Lapa, pelo telefone (21) 97954-2424.

 

 
CAPA
EDIÇÕES ANTERIORES
www.jornalfolhadocentro.com.br
Admin
© 2007- FOLHA DO CENTRO - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por DMS