FOLHA DO CENTRO - 23 ANOS DE EXISTÊNCIA Edição N° 253 - Outubro de 2017.
COLUNAS
NOTICIAS
FOTOS
SERVIÇOS
PREVISÃO DO TEMPO

Comandante do 5° BPM busca a interação e o diálogo com a sociedade

Um dos assuntos recorrentes na cidade do Rio de Janeiro nos últimos meses tem sido a questão da Segurança Pública. Uma breve olhada nos noticiários já é o suficiente para se deparar com algum caso de violência urbana incidido no município ou na região metropolitana. Diante das discussões sociais sobre a questão, o Comandante do 5° Batalhão de Policia, que compreende a região do Grande Centro, Coronel Caetano, confia na parceria com a sociedade para a redução dos índices de criminalidade.
Em seu gabinete, o Coronel recebeu a Folha do Centro e falou sobre a importância de uma interação com a sociedade civil para que se possa manter controlados os índices de criminalidade. “Eu tenho uma visão de que o comandante deve estar junto com a sociedade. Temos que interagir. Eu quero que as pessoas tenham esse canal aberto. Eu tenho ido a encontros nas comunidades e tenho disponibilizado um contato direto com as pessoas”, afirma o oficial, esclarecendo que o registro de ocorrência, muitas vezes pode apresentar uma informação incorreta e que as informações das pessoas são fundamentais para que se possam cruzar os dados e adotar as providências dentro da sua esfera de competência.
Há pouco mais de cinco meses no comando geral, Coronel Caetano era antes Sub Comandante Operacional, e portanto já conhecia o dia a dia e os problemas da unidade. Ao ser promovido a comandante, manteve com ele a mesma equipe que já vinha trabalhando anteriormente. Para o Coronel, a principal diretriz do Batalhão é o sistema de metas, aliado a um eficiente trabalho da corporação. “Não adianta nada eu dizer que estou atingindo as metas se eu não transformar esses números em sensação de segurança, para que as pessoas possam transitar seguras pelo Centro da cidade. Todo o nosso esforço está caminhando neste sentido”, esclarece.
A filosofia do diálogo de proximidade entre a unidade de segurança pública e a comunidade em geral, faz com que o Comandante enfatize a importância dos Conselhos Comunitários de Segurança, no âmbito local. Segundo ele, as reuniões são fundamentais para um diálogo mais abrangente, já que com a iniciativa, se conhecem os problemas pela ótica dos moradores. “A comunidade deve participar dos Conselhos Comunitários, onde existem fóruns para discutir os problemas de segurança pública. As pessoas comparecem, mas a presença ainda é pequena. Muitos gostam de reclamar mas não participam, e esse é um fórum que todos devem participar”, incentiva o Comandante.
O 5° Batalhão abrange os bairros do Centro, Castelo, Saúde, Gamboa, Santo Cristo, Lapa, Santa Teresa e Ilha de Paquetá. Os policiais responsáveis pela manutenção da segurança, além dos problemas da criminalidade, participam do ordenamento de ações características do Centro da Cidade como as manifestações, passeatas e eventos que em podem resultar na perturbação da ordem pública.
O Programa Centro Presente e Lapa Presente contribuem para amenizar o índice de ocorrências policiais no Centro, principalmente na região da Avenida Presidente Vargas. Mesmo com o patrulhamento ostensivo, a via ainda é uma das cinco que mais registram roubos na cidade. O comandante também descreve que uma boa manutenção da cidade também contribui para a inibição da criminalidade. “Muitos problemas de competência da Prefeitura como organização, limpeza, ordenamento do espaço urbano, sinalização eficiente. Tudo isso impacta diretamente no trabalho da segurança pública. Cabe à Polícia Militar o policiamento extensivo, mas pra ele dar certo é preciso estar alinhado com o trabalho da Prefeitura. Quando não se tem ordenamento, ruas escuras..., isso gera uma sensação de insegurança muito grande nas pessoas. Hoje nossa relação com os órgãos da prefeitura é muito boa, a gente está conseguindo trabalhar de forma integrada”, revela Caetano.
Para estreitar o canal entre a unidade operacional e a comunidade, o Comandante colocou à disposição números de telefone, inclusive do seu próprio gabinete, para que a comunidade possa interagir com sugestões, opiniões, e também denúncias, para que desta forma se conheça a dinâmica da criminalidade, numa parceria fundamental para otimizar a segurança pública. “O anonimato é garantido e as pessoas podem ligar despreocupadas, pois não temos nem identificador de chamadas. Eu vou ter a consciência tranquila quando as pessoas se sentirem acolhidas pela Polícia Militar, quando elas precisarem de um policial e elas forem bem atendidas eu vou ficar muito satisfeito”, completa o Coronel.
Contatos:
2332-5635 – Gabinete do Comandante
2232-5649 – Sala de Operações
2232-5639 – 2° Seção.

 

 
CAPA
EDIÇÕES ANTERIORES
www.jornalfolhadocentro.com.br
Admin
© 2007- FOLHA DO CENTRO - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por DMS