FOLHA DO CENTRO - 23 ANOS DE EXISTÊNCIA Edição N° 248 - Maio de 2017.
COLUNAS
NOTICIAS
FOTOS
SERVIÇOS
PREVISÃO DO TEMPO

O café é uma das bebidas mais complexas desde a sua produção

Café no mundo e maior produtor de café arábico, o Brasil tem começado a desenvolver uma consciência, sobre a qualidade do café brasileiro. Nos últimos anos têm surgido cada vez mais cafeterias especiais na cidade, criando um movimento de expansão e grande interesse de como o café é feito. Parte desse encanto pelo chamado café gourmet, tem se dado através dos filmes em que cada vez mais aparecem baristas e as cafeterias tem ganhado destaque.
Criada por Emilio Rodrigues há mais de uma década, a Casa do Barista tem se tornado ao longo dos anos uma das principais escolas para quem quer aprender sobre o café no Rio de Janeiro, sendo reconhecida pela sua qualidade e experiência no ensino e profissionalização do barista. Cada vez mais procurado e fonte de interesse para as pessoas, o profissional do café, vem mostrando o quanto é importante conhecer o processo do café desde a plantação até a xícara, para que se mantenha a qualidade do café oferecido aos clientes. Esse é um dos objetivos do curso básico barista, que de básico não tem nada, já que nele se conhecem as variedades de café, tipos de classificação e torra, além de, como formar um bom cardápio e drinks com café.
De acordo com Emílio, a restrição ao café internacional ainda é muito grande no Brasil, o que dificulta o acesso das pessoas a grãos especiais de outros lugares, o que não acontece em outros países. Dessa forma o brasileiro em geral tem pouca oportunidade de conhecer cafés de qualidade de outros lugares e também do Brasil. Segundo maior consumidor de café, o brasileiro tem cada vez mais se interessado pelo café gourmet.
“O Brasil sempre foi um grande consumidor de café, só que esse movimento de tomar cafés especiais, e também de tomar cafés com mais consciência, é mais de procurar melhores cafeterias ele é relativamente recente, ele é de 2001 pra cá e eu vejo que isso tem a ver até com o trabalho que a gente faz [...] Brasil enfim e tardiamente está tomando consciência que é o país do café de que precisa trabalhar, mas tem muita coisa que precisa ser feita ainda. Eu acho que uma das coisas que precisa ser feito é que o consumidor de café ele deve exigir das autoridades que ele seja capaz de escolher o café que ele quer tomar” declara o barista.
Ainda que o Brasil seja um grande consumidor de café, não há no país um forte incentivo para criar um conhecimento do que é um bom café e de beber um café de qualidade. No entanto, a demanda e oferta para cursos voltados para a educação do café ainda são muito pequenos e pontuais. Contudo o crescimento das cafeterias a procura por cafés de qualidade e por conhecer os tipos e variedades de grãos e torras.
O café é uma das bebidas mais complexas pela sua produção e preparação até chegar às mãos do consumidor e isso transforma essa bebida, uma das mais interessantes e valiosas. Com isso, o preço mais alto dos cafés especiais pode ser visto como um dos motivos de ainda haver uma resistência por parte de algumas pessoas. No entanto, para Rodrigues, é impossível se produzir com qualidade sem que haja algum acréscimo no preço.
“Com certeza, o preço é o que afasta a maioria das pessoas dos cafés especiais [...] nenhum produto pode ser de qualidade se você parte de produtos de baixa qualidade pra produzi-los, café é a mesma coisa. É impossível você produzir café de alta qualidade e manter os preços que se praticam no mercado”.

 

 
CAPA
EDIÇÕES ANTERIORES
www.jornalfolhadocentro.com.br
Admin
© 2007- FOLHA DO CENTRO - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por DMS